quinta-feira, 28 de junho de 2007

Papa anuncia Ano Paulino...


"Bento XVI anunciou hoje a celebração de um "especial ano jubilar" dedicado ao Apóstolo Paulo, por ocasião dos 2000 anos do seu nascimento. O Ano Paulino irá prolongar-se de 28 de Junho de 2008 a 29 de Junho de 2009.
Este anúncio foi sublinhado com uma salva de palmas por parte dos fiéis que estavam presentes na Basílica de São Paulo fora de muros, para a celebração das I Vésperas da Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo.
Bento XVI lembrou que Paulo passou de "violento perseguidor dos cristãos" a Apóstolo de Jesus e por ele "sofreu e morreu". "Como é actual, hoje, o seu exemplo", exclamou.
O nascimento de Paulo é colocado pelos historiadores entre o ano 7 a 10 depois de Cristo.O Papa indicou que Roma será um local privilegiado para a celebração deste Ano Paulino, dado que a cidade conserva o túmulo de São Paulo, descoberto na Basílica romana de São Paulo fora de muros.
"Na Basílica papal e na antiga abadia beneditina poderão ter lugar uma série de eventos litúrgicos, culturais e ecuménicos, pastorais e sociais, todos respeitantes à espiritualidade paulina", disse.
Um destaque especial vai ser dada às peregrinações junto ao túmulo do Apóstolo. Congressos de estudo e publicações especiais de textos paulinos juntam-se a estas iniciativas, para "fazer conhecer cada vez melhor a imensa riqueza dos ensinamentos" de São Paulo, verdadeiro "património da humanidade redimida em Cristo".
Iniciativas análogas poderão ser realizadas noutras partes do mundo, promovidas por muitas das Instituições que levam o nome de São Paulo ou se inspiram nos seus ensinamentos."
(Notícia agência Ecclesia)

Baía do silêncio e da paz...

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Afinal quem é que é de cor?

Jesus Cristo Superstar...



Em 1970, Andrew Lloyd Weber e Tim Rice criaram o primeiro verdadeiro musical rock.
Jesus Cristo Superstar baseia-se na vida de Jesus Cristo através dos olhos de Judas. Tecnicamente era uma ópera rock: todos os diálogos são canções.
Quando foi produzido pela primeira vez ainda não era uma peça. Jesus Cristo Superstar era um álbum, que depressa alcançou os maiores tops de venda. O álbum surgiu porque Webber e Rice não arranjaram financiamento para o levar para o palco. Mas, devido ao seu sucesso, rapidamente tal aconteceu. Em 1973, Jesus Cristo Superstar passou para as tela do cinema pela mão de Norwan Jewison, transformando-se num enorme êxito que apaixonou corações.
Relevante e intemporal, Jesus Cristo Superstar é o musical inspirado na maior história de todos os tempos e, nos nossos dias, mais actuante e revolucionária do que no tempo em que pela primeira vez subiu ao palco. O século XXI trouxe-nos o Terrorismo, a hegemonia dos Estados Unidos da América (a nova Roma do tempo de Cristo), o mundo super-capitalista e os fundamentalismos religiosos árabes. A ideia de contar a história de Cristo, identificando-a com as grandes audiências de agora, é revolucionária. Aqui estamos, vinte e um séculos mais tarde, talvez a precisar da mensagem desta História, agora mais do que nunca...

Um inopinado campo de soagem...

terça-feira, 26 de junho de 2007

Finalmente em férias....

Mais um ano mais um período de férias... como é bom regressar às raízes para receber aquele que é um descanso único, insubstituível...
Não será simplesmente mais um período de férias de verão, será um tempo novo de novas amizades, e de partilhas com aqueles que se vão cruzar comigo no dia-a-dia, uns mais conhecidos do que outros, contudo o que importa é tentar crescer com todos...
Importa agora na recta final deste ano lectivo parar, reflectir, analisar e pensar como foi este ano, e se realmente estas férias são ou não merecidas... Fazendo uma breve análise, ainda que seja um pouco a quente, penso que no conto normal, este ano correu bastante bem, todavia podia em muitos e muitos aspectos ter feito melhor, para com todos aqueles que me rodeiam e para comigo...
Parto, com o sentimento de dever cumprido, e na esperança de um regresso feliz, para um novo ano, que poderá ser ainda mais profícuo, mais belo e mais rico em todos os aspectos...
Deixo para terminar a letra dos Polo Norte: "Vou p'ra longe" que neste momento me ocupa a mente, e me transmite uma sensação de alívio e liberdade...


"Faço-me à estrada
Não penso em mais nada
O que será de mim
Uma história em que o princípio
Mais parecia o fim

Na mala do carro
Só levo a guitarra
E as letras que escrever
Vão falar desta viagem
Que eu não vou esquecer

Vou partir, sem demora
Vou partir

Parto sem saber
Sem saber se sou capaz
Deixo tudo para trás
E vou p'ra longe

Se lá vou ficar
O destino irá dizer
Não há tempo a perder E vou p'ra longe

A meio do caminho
Já sinto saudades
De quem lá deixei
Dou por mim aqui sozinho
E assim fiquei

Ao fim de alguns anos
Começo a perceber
É difícil estar tão longe
De quem nos viu nascer"


segunda-feira, 25 de junho de 2007

Ciga-nos...

O Alto Comissário para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI) promoveu hoje, pelas 16h30, no auditório do CNAI em Lisboa, o lançamento do site sobre comunidades ciganas “Ciga-nos!” acessível através do endereço www.ciga-nos.acidi.pt
No âmbito das suas competências, o ACIDI criou o Gabinete de Apoio às Comunidades Ciganas, a fim de serem fomentadas dinâmicas de inclusão que abram espaço à inserção social e valorização do património cultural destas comunidades, reforçando o diálogo intercultural e promovendo a cidadania.
Com a criação deste site, pretende-se promover a difusão e partilha de informação, criando redes de trabalho, divulgando projectos a decorrer no terreno, fomentando uma imagem positiva das comunidades ciganas e um melhor conhecimento da sua história e cultura. Desta forma, reforça-se o processo de interacção entre os diversos intervenientes e interessados no processo de integração das comunidades ciganas, tendo em vista a busca e a disseminação de melhores soluções. (Noticia Ecclesia)

domingo, 24 de junho de 2007

O Homem Sábio...


«A fama do Homem Sábio que vivia numa pequena casa, no alto da montanha, espalhou-se por toda a região, alastrou às vilas e cidades e chegou, finalmente, aos ouvidos do Governador.
Então este decidiu fazer uma longa e difícil jornada para visitar aquele Homem que tanto sabia e com quem poderia aprender técnicas e artes que melhor o habilitassem na governação da cidade.
Durante todo o caminho foi imaginando como seria o Homem Sábio. Em pensamento via-o majestoso, dignamente vestido, talvez um pouco distante e inacessível, por certo mergulhado em livros raros, tratados difíceis, papeis diversos...
Quando finalmente chegou à casa no alto da montanha e bateu à porta, foi recebido por um velhinho simpático, de aspecto simples, humildemente vestido.
"Eu gostaria de ver o Homem Sábio," disse ele. O velho sorriu e mandou-o entrar.
Enquanto caminhavam os dois ao longo da casa, o Governador olhava ansiosamente à volta, antecipando o encontro com um homem considerado um verdadeiro Sábio. Mas, quando deu por ele, já havia dado a volta a toda a casa e estava, de novo, à porta da rua.
O Governador parou e voltou-se para o velho: "Mas eu quero ver o Homem Sábio!"
Então o velho, a sorrir, disse-lhe:
“Procura olhar para todos que encontras na tua vida, mesmo se te parecerem simples e insignificantes, como Homens com quem poderás sempre aprender qualquer coisa. Mas, para isso, tens de ter não só os olhos mas também o coração e a mente abertos. Se te fechares nas tuas ideias feitas, nem que te cruzes com o Homem mais sábio do mundo aprenderás o que quer que seja.”
E, dito isto, sempre a sorrir, fechou a porta.
Então o Governador compreendeu que aquele era o Homem Sábio que procurava. Apenas os preconceitos que tinha dentro dele, a ideia formada relativamente ao que seria um Homem Sábio, tinham feito que aquela viagem tivesse sido (quase) em vão.»
(Conto Zen)

Não seremos nós também, muitas vezes como o governador? Andamos à procura de algo que na maior parte das vezes está dentro de nós...

sábado, 23 de junho de 2007

A chávena cheia...

Um conto que nos faz reflectir na nossa maneira de ser e sobre as nossas prioridades:

«Conta-se que Nan-In, sábio mestre japonês, certa vez recebeu a visita de um professor universitário, doutorado com “louvor e distinção” em conceituadas universidades, que lhe veio inquirir sobre filosofia Zen.
O professor iniciou um longo discurso intelectual sobre as suas dúvidas e Nan-In começou a tentar esclarecê-lo. Mas, a cada frase ou opinião do mestre japonês, logo o professor universitário contrapunha os seus saberes sobre a questão em particular.
Entretanto, chegou a hora do chá. Nan-In serviu o visitante e encheu completamente a chávena do professor universitário, e continuou a enchê-la, derramando chá pela borda.
O professor, ao ver o excesso de chá a derramar-se, sem se poder mais conter, disse:
"Está muito cheio. Não cabe mais chá!"
Então Nan-In, o sábio mestre japonês, disse:
”Como esta chávena, você está completamente cheio das suas próprias crenças, preconceitos, opiniões, teorias, especulações... Como quer aprender qualquer coisa nova e diferente sem primeiro esvaziar, um pouco que seja, a sua chávena?”»

(Conto Zen)


sexta-feira, 22 de junho de 2007

Realmente é dificil entender...

Leiam este post que nos alerta para uma realidade que está bem presente na actualidade do nosso país... como é que é possível ter dois pesos e duas medidas...

«É difícil entender - diz o senhor Dr. José Manuel Fernandes no Público - como pode um acto voluntário não obrigar ao pagamento de uma taxa moderadora enquanto um acto involuntário (estar-se doente) requer esse mesmo pagamento».
Se isto não configura um estímulo à prática do aborto, não sei o que possa configurar. Mas o diploma já está publicado e vai entrar em vigor a 15 de Julho.
Numa altura em que os cuidados básicos de saúde vêem o seu preço aumentado, é espantoso que o aborto se torne totalmente gratuito.
Gratuito para quem o faz, já que os contribuintes (inclusive os que se opõem ao aborto) vão ter de o financiar.
É que o custo de cada aborto está estimado entre 830 e 1074 euros. Ou seja, o aborto vai custar a todos...menos a quem o exige!


Transcrito do : http://padrejoaoantonio.blogs.sapo.pt

A Luz de Deus....

Os raios de luz são como que olhares de Deus sobre este mundo em que vivemos... imperfeito? Talvez... mas criação de Deus... Contemplem esta bela imagem...

Foi me colocado um desafio...

Foi me colocado um desafio para comentar a frase: "Se eu não tiver amor nada sou..." Transcrevo o meu simples comentário:

Cara Sónia! Aceito o teu desafio, mas antes de mais deixa-me dizer que é para mim muito dificil escrever algo sobre o amor...
Depois de me colocar a pensar sobre a frase:"Se eu não tiver amor nada sou..." comecei a divagar pela Carta aos Coríntios, e de repente parei... e pensei: o que é que o São Paulo queria dizer com esta frase que parece tão simples mas no fundo é tão profunda, tão clara, tão bela... como é que São Paulo numa simples frase consegue resumir a finitude humana e a grandeza do amor de Deus, nosso criador, nosso salvador e Amor único e primeiro...
Fico resignado e ao mesmo tempo reconfortado no Amor! sim no amor único... daquele Deus amigo, que nos faz suplantar toda a superficialidade que está impragnada em nós e nos faz acordar de uma forma primaz para aquela será a vivência plena, única e sempre eterna... a felicidade celeste...
Não sei se estive à altura do desafio... tentei...

quinta-feira, 21 de junho de 2007

Hoje o Evangelho fala-nos do Pai-nosso...


Mais uma vez o Evangelho fala-nos do Pai-nosso, mas nunca é demais pois nós nunca o chegaremos a compreender, a vivê-lo e a amá-lo!
Deixo uma interpretação do Pai-nosso que não é minha, mas é de alguém que sabe de certeza o que é o Pai-nosso, melhor do que eu!
Se em minha vida não ajo como filho de Deus,
fechando meu coração ao amor,
será inútil dizer: PAI NOSSO.
Se os meus valores são representados pelos bens da terra,
será inútil dizer: QUE ESTAIS NO CÉU.
Se penso apenas em ser cristão por medo, superstição e comodismo,
será inútil dizer: SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME.
Se acho tão sedutora a vida aqui, cheia de supérfluos e futilidades,
será inútil dizer: VENHA A NÓS O VOSSO REINO
Se no fundo o que eu quero mesmo é que todos os meus desejos se realizem,
será inútil dizer: SEJA FEITA A VOSSA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU.
Se prefiro acumular riquezas, desprezando meus irmãos que passam fome,
será inútil dizer: O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAI HOJE.
Se não importo em ferir, injustiçar, oprimir e magoar aos que atravessam o meu caminho,
será inútil dizer: PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO.
Se escolho sempre o caminho mais fácil, que nem sempre é o caminho do Cristo,
será inútil dizer: E NÃO DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO.
Se por minha vontade procuro os prazeres materiais e tudo o que é proibido me seduz,
será inútil dizer: MAS LIVRAI-NOS DO MAL....
Se sabendo que sou assim, continuo me omitindo e nada faço para me modificar,
será inútil dizer: AMÉM.

Ontem foi o dia mundial dos refugiados....


Bento XVI lançou ontem um apelo em favor dos refugiados de todo o mundo, pedindo que haja maior atenção, na opinião pública, para a situação dos que "foram obrigados a fugir do seu país na sequência de um real perigo de vida".
"Convido os responsáveis das Nações a oferecer protecção a quantos se encontram em tão delicada situação de necessidade", indicou.
Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, o número de refugiados disparou de 21 milhões em 2005 para 33 milhões o ano passado, um aumento sem precedentes no último quinquénio.
Acolher os refugiados com hospitalidade, lembrou o Papa, é "um dever de solidariedade humana, para todos, a fim de que eles não se sintam isolados por causa da intolerância e do desinteresse".
Para os cristãos, acrescentou, esta é uma oportunidade "para manifestar o amor evangélico".
"Desejo, do fundo de coração, que a todos estes nossos irmãos e irmãs, duramente provados pelo sofrimento, seja garantidos o asilo e o reconhecimento dos seus direitos", concluiu Bento XVI.

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Quem me leva os meus Fantasmas?...

Está ai o novo albúm do Pedro Abrunhosa: " Luz", este é um raio desta nova "Luz"... Apreciem, ouçam, vejam e amem...


Nasceste antes de 1986???


Esta merece!!!!! Deliciem-se... Nascidos antes de 1986
De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípio de 80 não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas em tinta á base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.
Não tínhamos frascos de medicamento com tampas à prova de crianças ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags – viajar á frente era um bónus.
Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões.
Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
Saímos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer. Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.
Não tínhamos Play Station, X Box.
Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos á rua.
Jogávamos ao elástico e á barra e a bola até doía!
Caíamos das arvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal.
Havia lutas com punhos mas sem sermos processados.
Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados.
Íamos a pé para casa dos amigos.
Acreditem ou não íamos a pé para a escola; não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas.
Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem, eles estavam do lado da lei.
Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.
Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.
Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo.
És um deles?
Parabéns!
Esta mensagem a outros que tiveram a sorte de crescer como verdadeiras crianças, antes dos advogados e governos regularem as nossas vidas, 'para nosso bem'.
Isto meus amigos é surpreendentemente medonho... e talvez ponha um sorriso nos vossos lábios:
A maioria dos estudantes que estão nas universidades hoje nasceram em 1986...chamam-se jovens.
Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.
A SIDA sempre existiu.
Os CD's sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco.
Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
Não acreditam que houve televisão a preto e branco.
Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:
heheheh , mas tivemos uma infância do caraças!!!

terça-feira, 19 de junho de 2007

Os «10 Mandamentos» da Estrada...



O Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes (CPPMI) publicou hoje os «10 Mandamentos» da Estrada, manifestando a sua preocupação pelos milhões de mortes e feridos provocados pelos acidentes
rodoviários em todo o mundo, ficam aqui também para reflectir...

Decálogo dos condutores

I.Não matarás

II. A estrada seja para ti um instrumento de comunhão, não de danos mortais

III. Cortesia, correcção e prudência ajudar-te-ão

IV. Sê caridoso e ajuda o próximo em necessidade, especialmente se for vítima de um acidente

V. O automóvel não seja para ti expressão de poder, de domínio e ocasião de pecado

VI. Convence os jovens e os menos jovens a não conduzirem quando não estão em condições de o fazer

VII. Apoia as famílias das vítimas dos acidentes

VIII. Procura conciliar a vítima e o automobilista agressor, para que possam viver a experiência libertadora do perdão

IX. Na estrada, tutela a parte mais fraca

X. Sente-te responsável pelos outros

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Mais um dia de faina....

Hoje foi mais um dia de faina... proveitosa? Sinceramente não sei! Talvez sim, talvez não... melhor do que eu para avaliar, só Aquele que me dirige, me conduz, me guia pela bonança neste mar infinito que é o mundo...
Contudo penso que foi um bom dia hoje... podia ter sido melhor, ou até óptimo é verdade, mas foi bom... amanhã será melhor! É nesta certeza que dia após dia, continuo a levantar a âncora do meu barco e a navegar... a navegar até um dia encontrar verdadeiramente o meu porto de abrigo...

sábado, 16 de junho de 2007

Um paraíso nesta terra...

Palavras ao Vento... um blog de uma poeta... Sonhadora até, talvez!

"Às vezes não sei quem sou... ando perdida nestas encruzilhadas que a vida me propõe... por vezes sigo mesmo o caminho errado, somente para me aperceber de que já não me é dada a oportunidade de trilhar o certo... Aprendi que há coisas que simplesmente não estão destinadas a acontecer, enquanto outras são simplesmente inevitáveis, independentemente da minha vontade de querer ou não contrariá-las... Quando a vida me magoa deixo que a chuva se misture às minhas lágrimas e sigo em frente... sempre em frente... uma folha jogada no vento... à mercê das suas correntes... com nada mais que uma ténue esperança de chegar a bom porto... Esta sou eu... e estas as minhas palavras... parte daquilo que fui, parte daquilo que sou... necessariamente parte do que serei... Sejam bem-vindos ao meu pequeno mundo de sonhos e contradições..."

Passem por lá que vale a pena, ou até a galinha toda!... lol

Retrato de um instante...

terça-feira, 12 de junho de 2007

Mais um dia... não decididamente não! Um dia imenso, único, talvez até mágico!

Hoje ao acordar, surgiu-me um singelo pensamento: reflectir acerca da vida...
Da vida mas não de uma forma global, estranha ou estereotipada...
Pensei...
Vagueei... por mundo imenso, único, inigualável que é o pensamento…
De uma forma simples tentei pesar na minha desregulada balança os momentos comuns do meu dia-a-dia... Por vezes nestes não abunda alegria, contudo são belos, claros, naturais, talvez até mágicos...
Porém acordei a dar importância àqueles frágeis momentos que na maior parte dos anos, dos meses, das semanas, dos dias, das horas, dos minutos, dos segundos não dou qualquer tipo de importância...
Muitas vezes esses momentos preenchem-me muito mais, não de uma forma material ou talvez mundana, mas no intimo do meu coração...
Admirável! Cada dia é uma nova vitória!
Como foi bom Senhor acordar, e Tu dares-me a possibilidade de Te reconhecer ao raiar deste novo dia... no meu intimo... no meu coração…

Obrigado...

segunda-feira, 11 de junho de 2007

Acerca do sentido da vida… da minha quem sabe!

Transcrevo alguns versículos do Livro do Quoélet, que me fazem pensar naquilo que sou, naquilo que faço, no que não faço, e devia fazer...

"Que proveito pode tirar o homem de todo o esforço que faz debaixo do Sol? Uma geração passa, outra vem; e a terra permanece sempre. O Sol nasce e o Sol põe-se e visa o ponto donde volta a despontar. O vento vai em direcção ao sul, depois ruma ao norte; e gira, torna a girar e passa,e recomeça as suas idas e vindas. Todos os rios correm para o mar, e o mar não se enche.
Para onde sempre correram, continuam os rios a correr.
Todas as palavras estão gastas, o homem não consegue já dizê-las.
A vista não se sacia com o que vê, nem o ouvido se contenta com o que ouve.
Aquilo que foi é aquilo que será; aquilo que foi feito, há-de voltar a fazer-se:
e nada há de novo debaixo do Sol!
Se de alguma coisa alguém diz: «Eis aí algo de novo!», ela já existia nas eras que nos precederam.
Não há memória das coisas antigas; e também não haverá memória do que há-de suceder depois; nem ficará disso memória entre aqueles que hão-de vir mais tarde."

Um poema sobre o mar, sobre o povo português...

Em virtude de ontem ter sido o dia de Portugal, deixo aqui um poema que gosto bastante e que de certo modo reflecte bem o ímpeto português ao longo dos séculos… um povo aventureiro, cheio de tradição, com muitas histórias e História, muita dessa ligada ao mar...

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.


Fernando Pessoa, in Mensagem

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Tempo...

Um belo "poema", de alguém que viveu bastante tempo em cativeiro,por professar a fé católica:


“Senhor quero viver cada minuto
enchendo-o com o meu amor,
dando-lhe a maior densidade,
tal como os santos no céu
vivem a sua eternidade.
Cada um dos seus instantes é feito de amor
e a sua eternidade é uma bem-aventurança
que nenhuma língua pode descrever.
Sem descanso devo tornar mais denso
o tempo da minha vida.
O que conta
não é a duração da minha existência.
Tu julgar-me-ás, Senhor,
sobre a intensidade dos momentos vividos.
Não me interrogarás
sobre o número de anos que vivi,
mas sobre o peso do amor
concedido em cada dia da minha existência.”




domingo, 3 de junho de 2007

Escuto...

Não resisto a transcrever uns versos
de Sophia de Mello Breyner Andresen,
que li e gostei muito:

«ESCUTO

Escuto mas não sei
Se o que oiço é silêncio
Ou deus

Escuto sem saber se estou ouvindo
O ressoar das planícies do vazio
Ou a consciência atenta
Que nos confins do universo
Me decifra e fita

Apenas sei que caminho como quem
É olhado amado e conhecido
E por isso em cada gesto ponho
Solenidade e risco».

sábado, 2 de junho de 2007

Quando a noite cai...


Hoje ñ foi mais um dia...

Hoje ñ foi mais um dia... Hoje foi um dia diferente, único talvez... Comecei por me levantar de manhã, como é normal em mim em cada dia... contudo estava me reservado a vivência de um sábado... até podia ter sido um sábado como tantos outros... mas ñ foi! Tive o privilégio de ter por alguns momentos contacto com uma comunidade que vive de maneira diferente a vida de cada dia, com uma única certeza: Deus é Pai é fonte de todo amor, é fonte de vida, é fonte de paz! Na minha fraca sensibilidade, consegui sentir a presença de Deus no meio de nós embora tivesse sido de uma forma rústica e efémera, pois sou um ser humano...
Como é bom sentir que somos amados ñ só por Deus, mas por alguns daqueles que se vão atravessando de uma, ou de outra forma na nossa vida....